O PESO DO TALENTO | NICOLAS CAGE SABE RIR DE NICOLAS CAGE EM FILME COM METALINGUAGEM E AÇÃO

Um filme em que Nicolas Cage interpreta Nicolas Cage pode parecer uma ideia muito mais legal para quem nasceu antes dos anos 90 e viveu o auge da carreira de Cage com filmes como “A Outra Face” e “Despedida em Las Vegas” do que para quem nasceu depois e conhece Nicolas Cage principalmente por conta dos memes, mas “O Peso do Talento” conta uma história tão mirabolante quanto divertida capaz de encantar até mesmo quem passou a vida embaixo de uma pedra e nunca nem ouviu falar de Nicolas Cage.

Aqui Cage interpreta uma versão fictícia dele mesmo (mas sempre com aquele fundinho de verade) que já se encontra numa fase de decadência depois de dezenas de anos muito bem vividos e de muito trabalho em Hollywood. Ele procura um papel relevante o suficiente para o colocar novamente sob os holofotes, mas nada funciona como deveria. Com uma filha adolescente que mora com sua ex-mulher para sustentar, uma dívida de mais de 500 mil dólares com o hotel em que vem morando e nenhuma perspectiva de um novo emprego no ramo, só lhe resta uma última oportunidade: fazer uma participação VIP na festa de um superfã por um milhão de dólares.

Nick Cage vai para Espanha e conhece seu fã Javi Gutierrez (Pedro Pascal), com quem tem uma conexão praticamente instantânea, mas sua viagem é perturbada quando dois agentes da CIA (Tiffany Haddish e Ike Barinholtz) querem recrutá-lo para uma missão que tem como objetivo desmascarar Javi que, segundo a CIA, é um dos maiores nomes do tráfico de drogas mundial. Para continuar na casa de Javi depois da festa, Nick usa a desculpa de que ajudará Javi a escrever o roteiro de seu filme. Desse momento em diante, o enredo se desenrola de forma ainda mais metalinguística, levando a trama a lugares tão insanos quanto divertidos.

Além da ação digna do gênero, um dos principais focos do filme é a aproximação de Nick e Javi, sobretudo por conta da atuação e química incrível entre Pedro Pascal e Nicolas Cage. Pascal, que está vivendo o auge da sua carreira até o momento, empresta Javi seu carisma infinito e a amizade de seu personagem com Nic Cage traz uma certa profundidade ao enredo que serve como o complemento perfeito para as doses de comédia e ação. O “bromance” entre Nick e Javi acontece por causa da identificação que sentem um com outro e principalmente pela distância entre Nick e sua filha. Addy Cage (Lily Mo Sheen) é uma adolescente que não compartilha os mesmos gostos de seu pai, que sempre tenta lhe mostrar filmes e referência importantes de sua história, mas nunca consegue fazer com que ela se envolva de verdade. Já Javi é o fã número de Nick e aprecia cada uma das referências de Nick.

“O Peso do Talento” não entretém só por ser um filme surpreendentemente sensível, engraçado e com uma trama cheia de ação, mas também por, assim como Nicolas Cage, não se levar muito a sério. Do começo ao fim temos milhares de referências a trabalhos anteriores de Cage e à sua carreira, tanto dos aspectos indiscutivelmente positivos quanto daqueles que são motivo de crítica e, muitas vezes, de piadas também. Seu personagem é atormentado por uma versão mais nova de Nicolas Cage, com direito a um CGI bem capenga (propositalmente) em seu rosto e esse é o clima do filme. No final, você pode sair com a mesma pergunta que já paira há muitos anos, Nicolas Cage é um ótimo ator ou apenas interpreta várias versões dele mesmo? Aqui a resposta é irrelevante, Nicolas Cage como Nicolas Cage vale a ida ao cinema.