“RED: CRESCER É UMA FERA” | UM FILME QUE VOCÊ JÁ VIU, MAS NÃO LEMBRA ONDE

“Soul” e “Luca” são os filmes do premiado estúdio da luminária revoltada que tiveram seus lançamentos cancelados nos cinemas, estratégia que revoltou muitos dos animadores que trabalharam em tais projetos. Não é para menos, já que ambos certamente foram filmes incríveis e a experiência cinematográfica os valorizaria ainda mais. E agora é a vez de “Red: Crescer é uma fera”, novo longa da Pixar que chega diretamente ao Disney+. Será que se trata de mais um filme injustiçado?

A resposta é: talvez não.

Ambientado em Toronto, em 2002, o filme gira ao redor de uma família com origens chinesas, especialmente uma garota de 13 anos chamada Meilin. Nesta família, em determinada idade, as mulheres são abençoadas com o poder do panda vermelho, o que poderia ser muito conveniente na China antiga mas não é no Canadá do século XXI. Mesclando esta fantasia com os reais “problemas” de uma adolescente, o longo se desenvolve ao redor das ações de Meilin, e de sua família, perante a esta situação.

A metáfora estabelecida pelo longa com a puberdade e a menstruação é um dos grandes acertos do filme, que será assistido por meninas de todas as idades e trará o assunto a tona de alguma forma nas famílias. Talvez algumas delas não desejassem conversar sobre isto com as garotas, e é completamente compreensível, mas é necessário destacar que hoje, em 2022, as crianças estão expostas a coisas absurdas e repugnantes seja na internet ou em outros serviços de streaming que competem com a Disney, que sequer é possível comparar com um tema completamente natural (e inevitável) como a menstruação. Então, ponto para a Disney!

Outro trunfo do filme é o modo como ele destaca o “empoderamento feminino”, sem clichês e discursos distorcidos das redes sociais. Com um total holofote em mulheres fortes, o filme não faz nenhum apelo para este fato, é apenas uma garota, sua mãe, avó e tias cuidando de si mesmas, como sempre ocorreu, independente de bandeiras políticas. Pois no final das contas é um filme sobre família e responsabilidades, o que dificilmente o jovem da internet de hoje entende. Sem dúvidas a personagem Meilin, entre seus erros e acertos, é muito mais responsável do que qualquer jovem brasileiro que se diz politizado, que provavelmente vai aplaudir o filme e comentar com a hashtag #girlpower, sem entender a real mensagem que ele traz. Assim, mais um ponto para a Disney que vai conseguir driblar os analfabetos funcionais do Twitter, transmitindo mensagens adequadas para as crianças.

Apesar de todas essas qualidades, a mecânica da trama é bem batida quando explora a relação entre uma mãe e sua filha. Diversos momentos do longa nos fazem lembrar filmes como “Sexta-feira muito louca”, “Valente” e até mesmo filmes como “Lady Bird” e o brasileiro “Fala Sério, Mãe”. E em meio a tantas mensagens importantes e inéditas, ainda fica uma sensação que já vimos o filme antes. O que coloca em cheque a resposta da pergunta do início do texto sobre um lançamento nos cinemas, afinal um lançamento no Disney+ parece mais adequado, pois a plataforma também merece filmes de qualidade como este.

Vale dizer ainda que apesar de, como sempre, a qualidade da animação ser impecável, a expressão de alguns personagens deixa muito a desejar. Claramente é uma escolha artística para tornar os adolescentes inexpressivos como a maioria realmente é, mas para um longa metragem incomoda bastante. Você que ainda não assistiu, repare bem na (falta de) expressão das colegas da protagonista.

No fim, o filme agrada e acaba sendo um bom entretenimento caseiro mesmo. Essencial para garotas, “Red: Crescer é uma Fera” estará disponível no Disney+ a partir de 11 de março.